segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

RESENHA: LED ZEPPELIN - CELEBRATION DAY




Nota: 9,5

Que o Led Zeppelin é uma das três maiores bandas de todos os tempos, todo mundo sabe. Mas até hoje, haviam poucos registros ao vivo da banda, que encerrou as atividades em 1980, com a morte do baterista John Bonham.

Com o recém lançado “Celebration Day”, gravado em Londres, na O2 Arena em 2007, num show em homenagem a Ahmet Ertegün, fundador do selo Atlantic, a banda satisfaz todos os milhões de fãs carentes por um registro oficial com captação de áudio de qualidade compatível à genialidade da banda. Nas baquetas, substituindo John, seu filho Jason Bonham não deixa a desejar, fazendo com que a banda registre um concerto emocionante e histórico em todos os aspectos.

Em relação ao repertório é difícil errar quando se trata do Led, mas não há o que reclamar, podem haver preferências por uma ou outra música que tenha ficado de fora, mas não há como questionar um setlist com “Kashmir”, “Stairway to Heaven”, “Rock and Roll”, “Ramble On”, “Since I’ve Been Loving You” e “No Quarter” pra ficar nas mais óbvias. A maioria das canções possui execução polida, com a banda notavelmente entrosada, como se nunca tivessem parado de tocar juntos, tudo parece fluir naturalmente entre os caras, sem esforço, só curtindo o momento.

Quanto aos integrantes, destaco Robert Plant, com sua voz de ouro, parece não ter sentido o efeito do tempo, sua performance é exemplar, claro que sem a potência dos anos 70, mas correta e sem deixar a peteca cair em nenhum momento; John Paul Jones tem a cara de garoto, nem parece que tocou numa banda a 30 anos, é o termômetro da banda, toca extremamente bem piano e baixo, um músico completo; Jason Bonham é um destaque a parte, assumiu as baquetas que outrora foram de seu pai, reconhecido por todos como um dos maiores bateristas de todos os tempos, e segurou a bronca, com pegada e competência, arrancava olhares de aprovação dos integrantes da banda no decorrer da apresentação; já o maior gênio por trás da magia da banda, Jimi Page, como de costume tem momentos hipnotizantes, como em “Stairway...”, por exemplo, e outros não tão empolgantes, característica de um músico que não se repete, errando e acertando.


O DVD é sensacional, vindo num pacote com CD duplo e um encarte com depoimento dos quatro membros com suas impressões do show histórico, sendo a mais interessante a de Jason, completamente emocionado em estar tocando com a banda que consagrou seu pai. O único pecado do lançamento é a falta de extras, uma apresentação desse porte e dessa importância merecia um making of caprichado e entrevistas com os integrantes, no mínimo.

Enfim, a banda que transgrediu o tempo, com toda sua áurea misteriosa, talento e carisma nos mostra que os heróis também envelhecem, mas é possível envelhecer com dignidade.

Obrigado Led Zeppelin!




David Oaski



Nenhum comentário:

Postar um comentário