quinta-feira, 11 de abril de 2013

E QUEM NÃO GOSTA DE JORGE BEN JOR BOM SUJEITO NÃO É



O cara é foda. Não adianta procurar definição melhor pra resumir esse mestre da música popular brasileira, do funk, da bossa nova, do rock, do samba rock e de tudo mais que ele tenha se metido a fazer.

Nascido Jorge Duilio Lima Meneses, em 22 de março de 1945, Jorge Ben iniciou sua carreira no começo dos anos 60, sob influência da música negra norte americana e do rock n’ roll e logo de cara mostrou originalidade e personalidade através de composições simples, mas únicas, caracterizadas por levadas e harmonias diferentes  dos movimentos que despontavam à época como a bossa nova e a jovem guarda.
Cantando e tocando guitarra como poucos

Pra se ter uma noção, qual outro artista seria capaz de lançar num primeiro compacto, joias do quilate de “Mas Que Nada” e “Por Causa de Você Menina”. Rapidamente Jorge Ben chamou atenção do público e da crítica, pois aquelas canções traziam um suingue até então inexplorado na música popular brasileira, Bem Jor criara um estilo, cujo só ele domina plenamente, o samba rock.

Jorge Ben Jor seguiu lançando excelentes discos após o primeiro: “Samba Esquema Novo”, de 1963, como “Big Ben”, de 1965 e “Força Bruta”, de 1970, quando entrou numa fase exotérica – e genial, com lançamentos como os clássicos absolutos: “A Tábua de Esmeralda”, de 1974 e “África Brasil”, de 1976, que o colocaram no primeiro escalão da música mundial, sendo estes últimos repletos de mensagens positivas através da ideologia religiosa do cara na época, nunca deixando de lado a linguagem das ruas também tão presentes nas suas composições.

Sem óculos escuros
Além de todo prestígio e reconhecimento no Brasil, Jorge Ben também é um dos artistas brasileiros mais reconhecidos internacionalmente, sendo “Mas Que Nada”, uma das músicas mais executadas e regravadas na história da música mundial. Outro fato curioso foi o plágio do astro pop Rod Stewart na sua canção “Da Ya Think I’m Sexy” sobre “Taj Mahal”, tendo o brasileiro processado o gringo e ganhado uma pequena fortuna.

Na ativa até hoje, Babulina (como é conhecido), hoje aos 68 anos, segue fazendo shows por todo o Brasil e cheio de energia, transmitindo seu suingue e energia de uma alma que nunca envelhece, fazendo parcerias com artistas atuais como Fiuk e Gabriel o Pensador, sempre enobrecendo cada milímetro da melodia da qual abrilhanta.

O cara é e um exemplo de artista e pessoa, sempre humilde, sem estrelices e babaquices típicas de celebridades, o cara consegue através de um carisma único conquistar público e crítica e por mais que tentem, ninguém consegue alcançar seu estilo inigualável.


Salve Simpatia!





David Oaski





Nenhum comentário:

Postar um comentário